Não verás país nenhum – Ignácio de Loyola Brandão

Opa, como estamos? 2012 chegou e com ele veio toda aquela balela de fim do mundo. Pelo tanto que já profetizaram sobre esse assunto, o mundo já deveria ter acabado umas dez vezes!

Nesse contexto, hoje temos o apocalíptico Não Verás País Nenhum de Ignácio de Loyola Brandão. Nessa narração, construída em 1981, o autor nos apresenta o Brasil em um futuro indeterminado dominado por um governo medíocre (chamado de Esquema), onde a Amazônia virou um deserto, as metrópoles sofrem com a falta de árvores e com o calor intenso; não há comida, água ou moradia para todas as pessoas – que estão divididas em castas e os mais pobres sobrevivem do lixo acumulado ao redor das cidades.

Nesse país, as cidades estão super lotadas, há mãos nas calçadas indicando a direção que se deve caminhar (igual as mãos existentes nas ruas). As manifestações populares são reprimidas com violência, assim como muitas palavras e expressões que são proíbidas e condenadas a qualquer momento, pois um fiscal do governo pode estar ao seu lado. O povo segue naquela vida de gado.

Uma catástrofe social, não é mesmo? Na orelha do livro temos uma extensa explicação sobre a composição da narrativa, destaco essa passagem que diz muito sobre o desenrolar da história:

Não Verás País Nenhum traz  uma história linear, que não coloca qualquer dificuldade ou qualquer experiência que possa assustar leitores menos dispostos a decifrar possíveis enigmas. Na verdade, fica até difícil, para quem abrir a primeira página, deixar de ir adiante. O livro pega como visgo, seja pelo interesse e importância dos assuntos tratados, seja pela forma como o escritor fala, neste caso, da extinção das condições de vida, das relações entre poder e povo, dos dramas pessoais.”

Apesar de o livro ter sido escrito no início da década de 80, o tema tratado é extremamente atual: aquecimento global, desigualdade social, governos tiranos, etc. vemos isso quase todo dia no jornal. Porém a narrativa, por muitas vezes, é lenta e um pouco maçante. Um ponto curioso é a divisão dos capítulos, estes estão separados como se fossem episódios de uma série e estão identificados com títulos que praticamente são resumos do que vem a seguir; esse ponto me lembrou muito o livro Dom Quixote, que também tem em seus capítulos títulos que dizem o que vai acontecer (vocês lembram como é? Algo do tipo “De como Dom Quixote enfrentou os moinhos de vento…”). Dois exemplos para vocês verem:

Capítulo 2:  Coçando a palma da mão (alergia?), Souza observa com fastioa a operação dos civiltares para dominar bandidos com balas catalépticas.

Capítulo 4: Algumas orientações a respeito da organização que o Esquema estabeleceu na cidade colocando ordem e progresso nas ruas.

Esse é um livro extremamente pessimista, mas que alerta sobre o desastre ambiental/social que pode ocorrer se as pessoas não tiverem educação adequada, porém as condições para que o povo seja instruído corretamente está nas mãos de governantes que só sabem olhar para o próprio umbigo – e Brasília dá um olá para a galera – e pouco ou nada se importam com o bem-estar social.  E nesse contexto (do livro), as pessoas vão se amontando em acampamentos paupérrimos, tendo seu direito de ir e vir reprimido, reciclando urina para beber, pois a aguá era um artigo de luxo e as fichas/cotas para ela eram escassas…

Oh, wait!

Sabe o que isso me lembrou? Há uns anos, algumas regiões do Brasil sofreram com uma enorme escassez de chuvas, o que ocasionou grande preocupação com falta de energia, já que as hidroelétricas estavam operando em seu nível mais baixo. Para evitar que houvesse um grande apagão, o governo decidiu impor aos cidadãos “cotas de energia”; cada casa tinha sua cota e se ela fosse ultrapassada os moradores pagariam uma taxa extra, uma espécie de multa.

A vida imita a arte ou a arte imita a vida?

Mafítico. O fedor vem dos cadáveres, do lixo e excrementos que se amontoam além dos Círculos Oficiais Permitidos, para lá dos Acampamentos Paupérrimos. Que não me ouçam designar tais regiões pelos apelidos populars. Mal sei o que me pode acontecer. Isolamento, acho.

Tentaram tudo para eliminar esse cheiro de morte e decomposição que nos agonia continuamente. Será que tentaram? Nada consegiram. Os caminhões, alegremente pintados em amarelo e verde, despejam  mortos, noite e dia. Sabemos, porque tais coisas sempre se sabem. É assim.

[…] O lixo forma setenta e sete colinas que ondulam, habitadas, todas. E o sol, violento demais, corrói e apodrece a carne, em poucas horas.

O cheiro dos mortos se mistura ao dos inseticidas impotentes e aos formóis. […] Atravessa as máscaras obrigatórias, resseca a boca, os olhos lacrimejam, racha a pele. […]

Forma-se uma atmosfera pestilencial que uma bateria de ventiladores possantes procura inutilmente expulsar. Para longe dos limites do oikoumenê, palavra que os sociólogos, ociosos, recuperaram da antiguidade, a fim de designar o espaço exíguo em que vivemos. Vivemos?  (p.11)

BRANDÃO, Ignácio de Loyola. Não verás país nenhum. Rio de Janeiro: Codecri, 1981.

4 latas

About these ads

6 pensamentos sobre “Não verás país nenhum – Ignácio de Loyola Brandão

  1. Leiam. Mesmo se parecendo um pouco (pelo menos na minha opinião) com a novela, “1984” de Orwell, é um livro bem “profético”. Li em 83(foi escrito em 81) e me deixou com uma má sensação. O pior é que parece que Loyola conseguiu ver o que aconteceria com o Brasil, décadas depois.
    Estamos no caminho descrito no livro.

  2. O Livro retrata um futuro próximo, e algumas situações já vivenciamos, podemos citar a nossa clausura em nossas residências nas noites, se sairmos, será de carro, com toda segurança, e ainda assim, com muito medo. O livro pode ser pessimista, porém, com o governo que temos, o que podemos esperar. Invés de copiar os modêlos da Coreia do Sul, da China, ou dos países desenvolvidos estamos regredindo para os ultrapassados de Ve
    nezuela, Cuba……

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s